Como nasceu o "Ciência a bordo"

Nos tornamos biólogos pela curiosidade e pelo fascínio sobre os fenômenos naturais. Estudamos e ensinamos conteúdos que muitas pessoas, inclusive nós, nunca tiveram ou teriam a oportunidade de testemunhar. E, assim como alguém com espírito aventureiro não fica satisfeito de apenas conhecer e contar a vida de um grande explorador, nós também não nos satisfizemos em apenas repetir o que está nos livros. Em uma tentativa de complementar aquilo que ensinamos e aprendemos nasceu o projeto "Ciência a bordo", fruto de duas paixões: a ciência e a vela.

We have become biologists by curiosity and fascination about natural phenomena. We study and teach content that many people, including us, have never had or would have the opportunity to testify. And the same way someone with an adventurous spirit would not be satisfied only knowing and telling the life of a great explorer, we do not have satisfied ouselves in just repeat what is in books. In an attempt to complement what we teach and learn in our scientific life the project "Ciência a bordo" (Science on board) was born, as a result of two passions: science and sailing.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

O cachorro verde, os problemas ambientais e o ensino de ciências




Eu te amo como se ama um cachorinho verde!”
Mario Quintana


A Lagoa dos Patos -RS
Em nossa última “expedição” encontramos o cachorro verde do poema de Mario Quintana. Nós o chamamos de Hulk que como veremos ao longo do texto não é nome não muito original dado o contexto, mas que reflete bem a aparência adquirida pelo nosso amigo. Estávamos às margens da Lagoa dos Patos, mais precisamente no município de Tapes, uma pequena cidade no RS com muitas fazendas. A Lagoa é considerada uma das maiores riquezas naturais do estado gaúcho, com grande potencial no setor turístico.
Há algo de estranho na água
Mas voltemos a falar do nosso amigo Hulk. Primeiramente, não existe “cachorro verde”! Para entendermos esse “estranho” fenômeno pigmentar de nosso mascote teremos que conhecer um pouco sobre o modelo econômico de Tapes. A economia do município está concentrada na agricultura, onde predomina a cultura do arroz irrigado por inundação. E entre as atividades menos expressivas estão: o comércio, a indústria e o turismo, esse último, no nosso ponto de vista, com menos expressão de que mereceria.

A cultura de arroz exige, além dos defensivos agrícolas, um grande aporte de nutrientes como fósforo e nitratos, cujo excedente chega à lagoa pelos afluentes. O excesso de nutrientes provenientes das culturas de arroz é somado aqueles do sistema de esgoto cloacal não tratado do município de Tapes. Tal somatório torna as condições de água da Lagoa ideais para que ocorra o processo de eutrofização.
Parece tinta
Aliado ao excesso de nutrientes na água temos ainda um verão quente, acompanhado de poucas chuvas, que contribuem para a multiplicação de algas potencialmente tóxicas. E é sobre essa multiplicação rápida de algas que é o assunto desta postagem. Isso porque foi justamente durante a ocorrência desse fenômeno que fomos para a Lagoa dos Patos. No caso, as algas responsáveis foram as Cianobactérias. Essas algas estão em qualquer ambiente aquática, porém “beneficiadas” pela “fartura” de nutrientes, multiplicam-se rapidamente. Esse fenômeno é conhecido como “floração". O preocupante é que essas algas podem produzir toxinas que além de alterar o sabor, cor e cheiro da água, podem provocar danos a longo prazo, como o câncer hepático.
Secando
Mas o que isso tudo tem a ver com o nosso amigo Hulk, e as aulas de ciências do título dessa postagem? Primeiro, as cianobactérias podem apresentar as mais variadas colorações através da presença dos pigmentos como : clorofila-A (verde), carotenóides (amarelo-laranja), ficocianina (azul) e a ficoeritrina (vermelho). Esses pigmentos atuam na captação de luz para a fotossíntese. Possivelmente, foram essas algas as responsáveis pelo fornecimento de O2 na atmosfera primitiva, cuja composição original era principalmente de vapor de água, metano, amoníaco, hidrogênio, monóxido de carbono (CO), dióxido de carbono (CO2) e N2. Foi aliás, essa nova atmosfera que possibilitou o surgimento de organimos aeróbicos, mas isto é outra história pode e deve ser explorada em sala de aula.
Pinus invadindo a Restinga
Assim a coloracão verde do nosso amigo Hulk, era nada mais, nada menos, que algas cianobactérias que se multiplicaram em decorrência das alteraçoes ambientais causadas pela soma de imprudência, descaso e ignorância humana. Um prato cheio para uma tragédia em pequena escala. Infelizmente, toda a região da Lagoa dos Patos na área do município de Tapes é um reflexo de intevenções humanas que são ilustradas não só pelas águas verdes vitamina de abacate, mas pelas florestas de Pinus que se alastram pelas dunas, cobrindo a mata de restinga nativa e pelo mexilhão-dourado, espécie exótica e invasora. Sorte é do Hulk que por ser daltônico nada pelas águas verdes sem perceber que elas estão tingindo seus pêlos dourados! 


Sempre alerta e bons ventos!