Como nasceu o "Ciência a bordo"

Nos tornamos biólogos pela curiosidade e pelo fascínio sobre os fenômenos naturais. Estudamos e ensinamos conteúdos que muitas pessoas, inclusive nós, nunca tiveram ou teriam a oportunidade de testemunhar. E, assim como alguém com espírito aventureiro não fica satisfeito de apenas conhecer e contar a vida de um grande explorador, nós também não nos satisfizemos em apenas repetir o que está nos livros. Em uma tentativa de complementar aquilo que ensinamos e aprendemos nasceu o projeto "Ciência a bordo", fruto de duas paixões: a ciência e a vela.

We have become biologists by curiosity and fascination about natural phenomena. We study and teach content that many people, including us, have never had or would have the opportunity to testify. And the same way someone with an adventurous spirit would not be satisfied only knowing and telling the life of a great explorer, we do not have satisfied ouselves in just repeat what is in books. In an attempt to complement what we teach and learn in our scientific life the project "Ciência a bordo" (Science on board) was born, as a result of two passions: science and sailing.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Alfabetização científica, sim! Parte II - Ceticismo (...) ou a Arte de questionar tudo.


          "A ciência é muito mais uma maneira de pensar do que um corpo de conhecimentos.”
                                                                   (Carl Sagan) 

A Ciência, e um sentido amplo, é mais do que o simples acúmulo de conhecimento sobre um determinado assunto. A principal diferença da ciência em relação às outras Artes é a forma cética de como ela olha para os fenômenos naturais. Além disso, a Ciência – como uma forma de pensar - leva em conta o princípio da falibilidade humana assumindo que o conhecimento não é absoluto e que não existem verdades absolutas.

É esse ceticismo que permite o examinador avaliar e questionar o que é dito como “verdade”, de maneira neutra, independente do quanto isso possa afetar suas opiniões pessoais e sentimentos. Ser cético não é duvidar de tudo, em uma postura de teimosia; é procurar e avaliar evidências que permitam aceitar ou não um argumento.

Esse posicionamento cético, portanto, nos permite julgar de forma racional o que é colocado como verdade apenas sob argumentos de autoridade, profecia, opiniões e valores morais, os quais são em geral escassos de evidências claras e imparciais (não manipuladas). Essa abordagem pode parecer dura demais e nem sempre nos traz conforto emocional, mas é a única maneira de chegarmos perto dos fatos e o melhor antídoto disponível contra os charlatões que atuam em diferentes áreas da vida em civilização - seja na política, religião e até mesmo na ciência

Sempre Alerta e Bons Ventos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário